sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Dezembro



Isa bela



quando dezembro chegou
trazendo nos braços
um deus menino
empapuçado das pequenas ilusões
sem os azuis dos dias claros
e os pássaros das desventuras no olhar  
é que pudemos perceber 
a pele tatuada de vazios
dos que inventavam flores
rubras irreais

não se leva ao cabo
o que não se constrói 
com o suor das mãos
dizia mamãe

já agora
como apátridas em combustão  
fenecemos todos nus
pelos beirais
de um país que não é nação 

renasceremos?