sexta-feira, 7 de abril de 2017

.






talvez eu seja essa mesma
a converter um corpo alto
num verso pequeno
de palavras minúsculas
tão mínimas e miúdas
que se não for o acaso
as lhes emaranhar 
os ramos finos
um dia serão apenas
um sopro
uma penugem
uma escotilha solta no tempo
uma ranhura
no sorriso breve
e furtivo
de quem viveu
para ser semente

portanto
não são bem os verbetes
que se alastram
nas cristaleiras dos pensamentos
o que entorna o vinho a minha sede
mas a cadência luminosa
com a qual vou
à nascente


Nenhum comentário: